Convênios

Conheça todas as opções que você associado possui.

Artigos Publicados

Veja aqui a solução dos casos mais conhecidos.

Mobile

Abra o Site da ABRAPOL em seu Celular!

Mauro César Severo

Mauro César Severo

HAVIA DIGITAIS NO MEIO DO CAMINHO
 
NO CASO DO BUNKER DE SALVADOR, AS IMPRESSÕES AMARRARAM GEDDEL VIEIRA LIMA E DOIS EX-FUNCIONÁRIOS E ALIADOS DO EX-MINISTRO À DINHEIRAMA ENCONTRADA
 
LAUDO PAPILOSCÓPICO GARANTE: TINHA DEDO DO GEDDEL
 
As impressões digitais encontradas pelos Papiloscopistas Policiais Federais (PPF) atribuíam os R$ 51 milhões ao ex-ministro
 
 

O Policial Federal Papiloscopista do Espírito Santo, Carlos Magno, vem dando grande contribuição á investigação da morte da vereadora do Rio de Janeiro Meirelle Franco.

Mais detalhes no link http://www.gazetaonline.com.br/cbn_vitoria/entrevistas/2018/04/policial-federal-capixaba-contribui-na-investigacao-do-caso-marielle-franco-1014128493.html

A descoberta pode ajudar a elucidar crimes contra a fauna e punir eventuais culpados. Números mais recentes de autoridades do Reino Unido revelam que, em 2013, houve mais de 120 incidentes confirmados de tiro, caça com armadilhas e envenenamento de aves de rapina no Reino Unido. A caça ilegal também afeta países da Europa e de outras partes do mundo.

Para combater essas atividades, a equipe de pesquisadores mostrou pela primeira vez que as marcas incriminatórias podem ser identificadas a partir de penas das aves utilizando pós fluorescentes. As digitais brilham assim que o pó entrar em contado com uma luz de raio laser.

Com a descoberta, os cientistas foram capazes de recuperar impressões das penas de seis espécies analisadas: falcões, gaviões, urubus, papagaios vermelhos, águias e águias de cauda branca. Também foi possível identificar marcas deixadas em ovos.
 

 

 

 

O periódico científico Journal of Forensic Identification publicou na edição de janeiro de 2015, um trabalho escrito pelo papiloscopista federal, Carlos Magno Alves Girelli. O jornal é um dos mais importantes do mundo na área de impressões digitais.
 
O artigo, intitulado "Laterally Reversed Fingerprints Detected in Fake Documents" ("Impressões Lateralmente Revertidas Detectadas em Documentos Falsos"), relata um caso analisado pelo Grupo de Identificação da Superintendência Regional no Espírito Santo, envolvendo supostos crimes de fraude contra uma instituição bancária, mediante uso de documentos falsos. Mais de cem cópias de documentos de identidade foram reunidas e enviadas para exame de impressões digitais.
 
Os exames de confronto papiloscópico buscaram identificar a autoria das impressões questionadas, comparando-as entre si e com as impressões digitais armazenadas no AFIS.
 
A conclusão dos especialistas foi de que, na verdade, algumas das impressões digitais analisadas eram, na verdade, reversões laterais de outras, como se vistas a partir de um espelho. Com isso, mais impressões digitais foram agrupadas e atribuídas a uma mesma autoria, reduzindo o círculo de suspeitos.
 

 

 

Figura 1. Impressões lateralmente revertidas detectadas em cópias de dois documentos distintos (J. For. Ident. 2015, 65 (1), 1-17).

 

Figura 2. Confronto entre impressões lateralmente revertidas detectadas em cópias de dois documentos distintos (J. For. Ident. 2015, 65 (1), 1-17).

 

Em sua análise, Magno afirma que o processamento padrão, tanto no AFIS da Polícia Federal do Brasil, quanto nos demais em geral, não considera a possibilidade de reversões. Assim, na pesquisa de uma impressão qualquer, mesmo que a sua impressão revertida esteja armazenada no sistema, em geral ela não constará na lista de candidatos mais prováveis apresentada pelo AFIS. Comparar duas impressões digitais e perceber que uma é a reversão da outra é uma tarefa muito difícil e improvável, com ou sem auxílio do AFIS.
 
O fato levou especialistas a questionarem se casos de falsificações utilizando impressões invertidas havia acontecido antes, o que resultou em ampla pesquisa do assunto e na realização do artigo.
 
Em sua conclusão o papiloscopista propõe a adoção de um procedimento específico para comparação de impressões digitais quando a situação admitir razoável possibilidade de existência de reversões laterais. A proposta é que em tais situações sejam pesquisadas tanto a impressão questionada quanto sua reversão lateral, podendo ser facilmente obtida no próprio AFIS ou com auxílio de software de edição de imagens.
 
O autor considera a publicação de um artigo neste periódico, uma conquista de toda a categoria. A visibilidade de trabalhos dessa natureza promove a interação do Brasil com os demais países nessa área do conhecimento, podendo inclusive gerar influência sobre pesquisadores e policiais do mundo inteiro.
 
Ele afirma também que desde a redação do artigo, o Grupo de Identificação da Polícia Federal no Espírito Santo vem aplicando a rotina de comparar impressões questionadas e suas reversas ao lidar com suspeitas de falsidade documental e os resultados têm causado surpresas.
 
Carlos Magno Alves Girelli é papiloscopista policial federal há 10 anos. Mestre e Doutorando em Física, Especialista em Política e Gestão em Segurança Pública e Bacharel em Direito.
Para maiores informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                               Fonte: Agência Fenapef

 

 

 

 

 

 

 

O Congresso Nacional marcou nova sessão para esta terça-feira (16), às 19 horas. O relatório final da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2015 é o primeiro item da pauta de votações.


O PLN 3/14 foi aprovado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) na quarta-feira (10), após amplo acordo entre todas as lideranças partidárias que compõem a comissão.

Também pode ser votado o PRN 6/13, que estende às comissões mistas do Congresso a prerrogativa de apresentar emendas aos projetos do plano plurianual (PPA), da lei orçamentária anual (LOA) e da LDO. Atualmente, essa competência é limitada às comissões permanentes do Senado e da Câmara e aos parlamentares, por meio de emendas individuais.

Créditos adicionais


Também estão na pauta 31 projetos de lei do Congresso que abrem créditos adicionais (especiais ou suplementares) para diversos ministérios e outros órgãos públicos no Orçamento deste ano.

Entre eles, o que concede aumento salarial para a Polícia Federal (PLN 5/14). O relatório sobre a matéria destaca que a iniciativa busca atender a demanda da única categoria de servidores públicos que ainda não tinha sido contemplada com aumento salarial e com reestruturação de carreiras concedidos aos demais servidores do Executivo, conforme proposta feita em agosto de 2012.

Já o PLN 19/14 abre crédito especial de R$ 145,6 milhões para investimentos em 20 aeroportos controlados pela Infraero.

Os recursos serão usados por meio do Fundo Nacional da Aviação Civil em empreendimentos e ações que integram o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O dinheiro servirá para aquisição de equipamentos e modernização e adequação da infraestrutura aeroportuária, como ampliação da capacidade operacional dos aeroportos, terminais de passageiros, pátios e pistas, telecomunicações aeronáuticas, terminais de logística de carga e estacionamentos.

Vetos
A partir de quarta-feira (17), a pauta do Congresso estará trancada pelo veto 30/14. A presidente Dilma Rousseff vetou vários dispositivos do Projeto de Lei de Conversão 15/14, decorrente da Medida Provisória (MP) 651/14. A medida desonera folha de pagamento, amplia créditos fiscais e estimula a entrada de pequenas empresas na bolsa de valores, entre outros assuntos.

A maioria dos itens vetados trata de desoneração. O governo argumenta que não há cálculos de impacto orçamentário-financeiro devidos, o que caracteriza infração à Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei 101/00).

A presidente também vetou o item que ampliava para 2018 o prazo para as cidades acabarem com seus lixões. Segundo o governo, a prorrogação de prazos, da forma como prevista, contraria o interesse público, por adiar a consolidação de aspecto importante da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A imposição de veto, segundo o Executivo, decorre de acordo realizado no plenário do Senado com as lideranças parlamentares, que se comprometeram a apresentar alternativa para a solução da questão.

Jornada de psicólogos
Outro item a ser analisado pelo Congresso é o Veto 31/14. A presidente Dilma vetou integralmente o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 150/09, que trata da redução de jornada dos psicólogos.

Na justificativa do veto, o Executivo argumenta que a redução da jornada semanal, proposta para 30 horas semanais, impactaria o orçamento de entes públicos, principalmente dos municipais, com possível prejuízo à política de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), podendo, ainda, elevar o custo também para o setor privado de saúde, com ônus ao usuário. Esse veto tranca a pauta do Congresso a partir do dia 20 de dezembro.

 

Fonte: Agência Câmara

 

Endereço

SIG Quadra 02 Lote 420/440 Sala 230, Ed. City Offices
Sudoeste - Brasília/DF - CEP 70.610-420

Contatos